terça-feira , abril 24 2018
Página Inicial / Goiás / AGM orienta prefeitos quanto à contribuição sindical de servidores municipais

AGM orienta prefeitos quanto à contribuição sindical de servidores municipais

 
 
Nas últimas semanas a Associação Goiana de Municípios (AGM) vem recebendo constantes pedidos de orientações e também inúmeras reclamações quanto ao fato das prefeituras estarem sendo notificadas “extrajudicialmente” pelo Sindicato de Enfermagem do Estado de Goiás para que “desconte de todos os técnicos e auxiliares de enfermagem que laboram nesses estabelecimentos, na folha de pagamento do mês de março de 2018, o equivalente a um dia de trabalho, conforme previsto nos artigos 8º, inciso IV, in fine e 149, ambos da Constituição Federal: e a recolha até o dia 30 de abril de 2018, conforme autorização expressa definida em assembleia geral pela categoria”.
 
Diante do fato a AGM, através de sua Assessoria Jurídica, fez um amplo estudo sobre o assunto e, no final, divulgou uma Nota Técnica de orientação aos prefeitos (Veja em Anexo).
 
Segundo o assessor jurídico da entidade Dr Sérgio de Siqueira não existe contribuição sindical de servidores públicos. Foi revogada a Instrução Normativa n. 01, de 17 de fevereiro de 2017, determinada pela Portaria n. 421, de 5 de abril de 2017, do Ministro do Trabalho, de forma que deixou de existir a obrigação do recolhimento da contribuição sindical para todos os servidores e empregados públicos”.
 
Afirma Dr Sérgio Siqueira que, com a revogação da IN 01, restou prevalecendo o entendimento da Advocacia Geral da União, contida no PARECER n. 09/2012/MCA/CGU/AGU, vinculativo para Administração Pública Federal, (não permite o recolhimento) no qual, em resumo assim dispõe, verbis:
 
“É vedada a cobrança de tributos não previstos em lei. A Constituição Federal não cria tributos. O que esse diploma faz e tratar de competência tributária. Os tributos são criados por leis e, no caso examinado pelo parecer n. 70/2010/DECOR/CCU/AGU, tal lei (que obriga os servidores públicos a contribuir) ainda não existe.
 
A criação de um tributo tampouco é de competência do Órgão do Poder Judiciário. Independente das decisões em casos concretos em sentido contrário …
 
Em poucas palavras, como manifestado no Parecer n. 70/2010/DECOR/CCU/AGU: “conclui-se, pela não incidência da contribuição sindical sobre servidores públicos”.
 
Em relação a notificações de sindicatos para o recolhimento deste imposto, indevido para servidor público, deve o Município contranoficá-lo, ou manifestar a ilegalidade do pagamento, ou ainda impetrar ação visando o ressarcimento.
 
 
 
Maiores informações podem ser obtidas junto a Assessoria Jurídica da AGM através do telefone (62) 3285 5288.
 
 
 
Assessoria de Comunicação da AGM

Veja também

25 favoritos para deputado federal em Goiás na disputa de 2018

Lincoln Tejota, Luana Baldy, Iris Araújo, Waldir Soares, Rubens Otoni, Jovair Arantes, Giuseppe Vecci, Flávia …