sexta-feira , setembro 25 2020
Página Inicial / Goiás / Arquidiocese de Goiânia suspende temporariamente os direitos de realizar celebrações do Padre Robson

Arquidiocese de Goiânia suspende temporariamente os direitos de realizar celebrações do Padre Robson

Padre é investigado por desvio de dinheiro para compra de imóveis e nega acusações.

Foto: Afipe/ Divulgação

O arcebispo metropolitano de Goiânia Dom Washington Cruz suspendeu temporariamente neste domingo, 23, o direito de realizar celebrações do padre Robson de Oliveira, investigado por supostos desvios de dinheiro de doações para adquirir itens de luxo como casa de praia e fazendas. O religioso, que era reitor da Associação Filhos do Pai Eterno (Afipe), responsável pela administração do Santuário Basílica de Trindade, nega as irregularidades.

O decreto da Arquidiocese de Goiânia que suspendeu os direitos do padre de realizar celebrações diz que a medida é devido à “necessidade de prevenir escândalos, garantir o curso da Justiça e tutelar a fé, bem como investigar as acusações realizadas contra o padre Robson de Oliveira”.

O documento traz ainda que a medida tem caráter administrativo, não penal. Não foi estipulado um período para essa suspensão.

Em nota, o padre Robson – que já havia pedido o afastamento dele da Afipe na última sexta-feira, 21 – informou que recebeu com humildade a revogação temporária do uso de ordens e que se trata de um procedimento prévio no direito canônico. “O maior interessado no esclarecimento de todas as questões e na total transparência de todas as suas ações é o próprio padre Robson”, diz o comunicado.

Entenda o caso

O Ministério Público de Goiás investiga se R$ 120 milhões doados por fiéis foram desviados da Associação Filhos do Pai Eterno (Afipe), em Trindade (GO), na Região Metropolitana de Goiânia. De acordo com a denúncia, o dinheiro pode ter sido usado para compras de bens luxuosos, entre eles, uma fazenda de R$ 6 milhões em Abadiânia, no leste de Goiás, e uma casa de praia, no valor aproximado de R$ 3 milhões, em Guarajuba (BA).

Entre anos de 2016 a 2018, os donativos atingiram um montante de mais R$ 746 milhões. A investigação apura se, em três anos, a Afipe desviou cerca de R$ 120 milhões para empresas e pessoas investigadas.

Foto: MP-GO/ Divulgação

Siga-nos em Nossas Redes Sociais e tenha também acesso a conteúdo exclusivo e promoções:

GRUPO NO WHATSAPP | INSTAGRAM | FACEBOOK |

Veja também

Pré-candidato a vereador em Patrocínio (MG) é assassinado após ser atacado durante live; autor do crime é irmão do prefeito e secretário municipal

Segundo tenente da PM, Cássio Remis que era pré-candidato também é ex-vereador e ex-presidente da …