terça-feira , setembro 29 2020
Página Inicial / Goiás / Folha de S.Paulo aponta contradições em depoimentos que citam Marconi

Folha de S.Paulo aponta contradições em depoimentos que citam Marconi

Na decisão, o magistrado ressaltou que, apesar de gozarmos no Brasil a livre expressão, esta deve ser feita com responsabilidade (Foto: Divulgação)

 

Em reportagem publicada como manchete principal da edição deste domingo, o jornal Folha de S.Paulo aponta uma série de contradições e inconsistências nos depoimentos de ex-executivos da Odebrecht, entre eles os que citam o governador Marconi Perillo. Na reportagem, assinada pela jornalista Thaís Bilenky, o diário paulistano afirma que “peças que foram acolhidas pelo ministro Edson Fachin apresentam guerras de versões” e que “as petições contra os governadores do PSDB Marconi Perillo e Geraldo Alckmin são exemplos disso”.

“A petição contra o goiano é embasada em quatro delatores que apresentaram três versões distintas”, diz a reportagem da Folha. “Um deles falou em caixa 2 sem apresentar documento para corroborar sua acusação”. A reportagem um ouviu um ministro do STF que disse, preservada a fonte, que “incongruências fragilizam acusações e que algumas delações terão de ser reanalisadas em órgãos judiciais colegiados”.

A Folha de S.Paulo mostra, além de Marconi e Alckmin, “erros factuais, contradições e inconsistências” nas citações a outros políticos citados na apuração da Odebrecht, como o ministro Aloizio Nunes Ferreira, Celso Russomano e o governador do Maranhão, Flávio Dino, entre outros. A apuração destaca os casos de Marconi e Alckmin porque os governadores tucanos são os únicos da relação da reportagem contra os quais há três versões distintas. Para os demais, são duas.

Na apuração relacionada a Marconi, a reportagem mostra que há três versões sobre os valores citados pelos ex-executivos da Odebrecht, absolutamente incongruentes. Os ex-executivos que tiveram suas citações homologadas em relação a Marconi são Fernando Ayres, Alexandre Barradas, João Pacífico e Ricardo Ferraz.

Além das divergências quanto aos valores, os próprios ex-executivos afirmam, em seus depoimentos, que o Governo de Goiás jamais concedeu vantagens em retribuições às supostas contribuições de campanha em caixa 2. O governador Marconi Perillo tem observado que todas as contribuições foram devidamente declaradas à Justiça Eleitoral e que as prestações de contas de todas as suas campanhas foram aprovadas.

Em depoimentos, ex-executivos não apresentam provas e admitem insucesso de investidas contra Governo de Goiás

Os vídeos com depoimentos de executivos e de ex-executivos da Odebrecht que citam citam Marconi têm contradições e fragilidades evidenciados na falta de provas e no insucesso das investidas da empresa junto ao governo estadual. “As contribuições foram feitas, mas nada aconteceu”, declarou na delação o ex-presidente da Odebrecht Ambiental, Fernando Luiz Ayres da Cunha Reis.

Outro executivo da empresa, Alexandre José Lopes Barradas narrou a dificuldade da empresa em operar em Goiás. “(A Odebrecht) estava tentando trabalhar com projetos de investimentos: VLTs e também algumas concessões de estradas, que não saiu nenhuma”. Barradas lamentou o fato de a empreiteira ter pleiteado, sem sucesso, obras de saneamento nos municípios na região do Entorno de Brasília. Ele afirmou que a empresa gastou R$ 2 milhões para fazer um projeto, que até hoje está engavetado.

“De setembro de 2014 para cá, quando apresentamos o projeto, nem julgamento teve. Gastamos R$ 2 milhões para montar o projeto e até hoje está lá e não caminhou”, afirmou Barradas em depoimento. Foi perguntado também se havia compromisso do governador com os projetos da Odebrecht Ambiental, ao que respondeu. “Ainda tem este projeto. Ele ainda não aconteceu”, revelou.

Em diversos momentos da delação, os executivos foram inquiridos a apresentar provas palpáveis, para que pudessem ser lastreadas as informações apresentados aos procuradores. Alexandre Barradas foi questionado sobre como poderia provar que veio a Goiânia negociar propinas, mas não soube precisar a data. Limitou-se a dizer ter sido “de avião” em agosto de 2010.

Sobre eventuais e-mails – ainda que cifrados – ou telefonemas, comuns em todas os depoimentos da Odebrecht, Barradas afirmou que não havia nenhum e que as conversas eram realizadas pelo WhatsApp. “Tem algum outro registro, cópia de mensagem, e-mail?”, foi questionado. A resposta foi evasiva: “Não. Tenho o compromisso de buscar essas coisas”, prometeu ao procurador.

As contradições nos depoimentos também chamam atenção e colocam em xeque os depoimentos. Os valores que disseram ter repassado para a campanha de Marconi também são totalmente divergentes, conforme apontado em reportagem pela Folha de S.Paulo neste domingo, 7 de maio. Publicação  original: http://www.emaisgoias.com.br/folha-de-s-paulo-aponta-contradicoes-em-depoimentos-da-odebrecht-que-citam-marconi/

Veja também

Goiás é o único estado a atingir meta do Ideb no Ensino Médio

Estudantes goianos atingiram a meta de 4,8 estipulada para o ano passado e ficaram acima …