quinta-feira , outubro 29 2020
Página Inicial / Goiás / Impedidos de tomar posse dois prefeitos eleitos não assumem em Goiás

Impedidos de tomar posse dois prefeitos eleitos não assumem em Goiás

prefeitos_interior
Major Eldecírio, prefeito eleito de São Luís dos Montes Belos, e Rodrigues, prefeito eleito de Palestina de Goiás (Foto: Reprodução/Facebook)

 

Do G1 GO – Por conta de decisões da Justiça Eleitoral, os prefeitos eleitos de São Luís dos Montes Belos, no centro goiano, e de Palestina de Goiás, na região sul do estado, não tomaram posse no último dia 1º de janeiro. No lugar deles, assumiram os vereadores que presidem as câmaras municipais. Em outras nove cidades goianas, os prefeitos mais votados também sofrem processos, mas garantiram o direito de assumir por meio de recursos. Todos as ações ainda estão em andamento.

O prefeito eleito de São Luís dos Montes Belos, Major Eldecírio da Silva (PDT), foi impedido de ser diplomado depois que a candidata a vice-prefeita na chapa, Cristina Vieira Silva (PRB), foi considerada inelegível. A decisão foi tomada depois que o juiz eleitoral já havia deferido a candidatura da chapa e, segundo o político, não dava mais tempo de trocar a candidata da coligação.

sao-luis-dos-montes-belos
São Luis dos Montes Belos está sendo administrada interinamente pelo presidente da Câmara Municipal vereador Antônio Paulo da Cruz (PRB)

 

O processo está em fase de recurso no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e deve ser julgado em plenário após o fim do recesso do Poder Judiciário. Enquanto isso, a cidade é administrada interinamente pelo presidente da Câmara Municipal de São Luís dos Montes Belos, o vereador Antônio Paulo da Cruz (PRB). Silva acredita que deve assumir a gestão do município. “No TRE [Tribunal Regional Eleitoral] nós perdemos faltando sete dias para as eleições e não dava tempo de trocar a vice porque, como a própria lei prevê, são 20 dias antes ou em caso de morte, como foi em Itumbiara. Nós continuamos com as eleições e ganhamos. Nós entramos com recurso para separar a chapa, argumentando que fomos eleitos com voto popular e que o problema era dela e não tínhamos como trocar”, afirmou ao G1. O G1 tentou contato com Cristina Vieira Silva, mas as ligações não foram atendidas até a publicação desta reportagem.

Já em Palestina de Goiás, o prefeito reeleito Valdivino Borges (PSDB) não tomou posse porque a coligação adversária entrou com recurso alegando que ele teve as contas públicas de sua administração rejeitadas pela Câmara Municipal. Valdivino entrou com um pedido de embargo no TRE-GO e aguarda a análise. Na cidade, quem assumiu interinamente também foi o presidente da Câmara Municipal, o vereador João Batista de Souza (PSD).

palestina-1
Em Palestinda de Goiás assumiu interinamente o presidente da Câmara Municipal, vereador João Batista de Souza (PSD).

 

Posse sob judice

Em nove cidades goianas os prefeitos tomaram posse sob judice, ou seja, obtiveram recursos para serem diplomados, assumiram o mandato, mas esperam o julgamento de processos na Justiça Eleitoral. São os casos de Água Fria de Goiás, Avelinópolis, Campinaçu, Divinópolis, Iporá, Niquelândia, Petrolina de Goiás, Planaltina e Senador Canedo.

Em Campinaçu, na região norte de Goiás, o prefeito Milson Alves Magalhães (PP) aguarda o julgamento de um processo que acusa um ex-prefeito da cidade de abuso de poder em benefício da candidatura dele. De acordo com o advogado do prefeito, Diogo Cossara, o fato não ocorreu. “A defesa entende que este fato não aconteceu desta forma. Prova disto é uma pessoa apenas que não tem nenhuma ligação direta com a campanha, então não tem nada que prove que isto aconteceu. A defesa confia no julgamento do TRE”, afirmou.

O prefeito de Divinópolis de Goiás, Alex de Eva (PPS), responde a um processo aberto pelo Ministério Público Estadual de Goiás (MP-GO) que apura fraude eleitoral e compra de votos. O processo está no TRE-GO aguardando apreciação. Ele afirma que vai provar sua inocência. “Quem foi investigado não tem nada a ver com a minha composição de trabalho. Investigou-se um grupo e tentou levar nas decisões deste grupo o meu nome. Minha campanha foi limpa e transparente. Estou sendo envolvido em um processo de investigação onde eu não tenho nenhuma participação sobre os atos que ocorreram”, afirmou o prefeito.

Em Iporá, no centro de Goiás, a Justiça Eleitoral cassou em novembro os registros de candidatura do prefeito eleito Naçoitan Leite e de seu vice, Duílio Alves de Siqueira, ambos do PSDB. O processo apurava se eles foram beneficiados por condutas irregulares do então prefeito, Danilo Gleic dos Santos, do mesmo partido. A defesa de Naçoitan Leite (PSDB) informou ao G1 que entrou com recurso contra a medida. Leite tomou posse no último dia primeiro e aguarda a conclusão do processo. O G1 entrou em contato por telefone com os demais prefeitos que tomaram posse sob judice, mas não obteve retorno até a publicação desta reportagem.

Prefeitos goianos que recorreram para garantir posse

Água Fria de Goiás – José Eduardo Oliveira Neto (PTC)
Avelinópolis – Fábio Alves Neto (PR)
Campinaçu – Milson Alves Magalhães (PP)
Divinópolis – Alex de Eva (PPS)
Iporá – Naçoitan Leite (PSDB)
Niquelândia – Valdeto Ferreira Rodrigues (PSB)
Petrolina de Goiás – Dalton Vieira Santos (PP)
Planaltina – David Alves Lima (PROS)
Senador Canedo – Divino Pereira Lemes (PSD)

FONTE> G1 GO

Veja também

Em Uruaçu, homem nu ataca bombeiros com faca e tenta fugir na viatura, ele precisou ser contido com tiros e não resistiu

De acordo com o Corpo de Bombeiros, o homem estava nu e extremamente agressivo, ameaçando …