segunda-feira , setembro 28 2020
Página Inicial / Goiás / Polícia Civil apreende uma tonelada de doces fabricados em indústria clandestina de Anápolis

Polícia Civil apreende uma tonelada de doces fabricados em indústria clandestina de Anápolis

Foi encontrado inclusive vazamento de esgoto próximo à área de produção de alimentos. Os produtos foram descartados pela Polícia Civil.

Foto: Polícia Civil/ Divulgação

A Polícia Civil apreendeu nesta quarta-feira, 19, cerca de 1 tonelada de doces produzidos sem higiene em uma fábrica clandestina na cidade de Anápolis (GO). Durante a operação foi encontrado até mesmo um vazamento de esgoto próximo à área de produção dos alimentos.

A empresa não tinha autorização para fabricar os doces, e operava de forma irregular desde 2016. Em maio deste ano, a Agrodefesa fez uma fiscalização e constatou várias irregularidades no local. O dono foi notificado e os produtos foram separados para serem descartados posteriormente.

Porém, quando os fiscais voltaram para recolher os doces para o devido descarte, foram proibidos de entrar pelo dono da fábrica, que ainda contou que já tinha vendido o produto. A polícia foi então acionada.

Foto: Polícia Civil/ Divulgação

“Chegamos e encontramos o local em pleno funcionamento, o que já estava errado. A indústria também estava em reforma, então estava cheio de poeira, material de construção espalhado. Foi encontrado o vazamento em uma tampa de esgoto, então estava totalmente fora dos padrões de higiene”, disse o delegado Frederico Maciel.

Os doces foram recolhidos e levados diretamente ao aterro sanitário da cidade para serem descartados. O dono foi multado em R$ 5 mil e vai responder por crime contra as relações de consumo por vender produtos impróprios. O local só poderá voltar a produzir após a devida regularização.

Siga-nos em Nossas Redes Sociais e tenha também acesso a conteúdo exclusivo e promoções:

GRUPO NO WHATSAPP | INSTAGRAM | FACEBOOK |

Veja também

Servidor público de Goianésia é exonerado após ofensas machistas a professora

Funcionário também menosprezou profissionais com formação em pedagogia. “Uso para limpar a bunda”, disse sobre …