sexta-feira , outubro 19 2018
Página Inicial / Polícia / Tragédia: menina de três anos morre após ser encontrada com sinais de abuso

Tragédia: menina de três anos morre após ser encontrada com sinais de abuso

Um suspeito, com 15 anos de idade e problemas psicológicos, foi detido. A garota foi encontrada “muito machucada” por bombeiros em um local de mata fechada, próximo a um brejo


A criança ainda foi socorrida, mas não resistiu aos ferimentos (Foto: Reprodução)

 

Uma garota de 3 anos foi encontrada ferida, seminua e com sinais de estupro em um matagal do Setor Sol Nascente, na noite de segunda-feira (16), em Niquelândia. Em decorrência das lesões, um traumatismo craniano, cortes na cabeça e machucados por todo o corpo, a criança morreu a caminho de um hospital em Goiânia, por volta das 22:00 horas.

Um suspeito da agressão, com 15 anos de idade, foi detido e será ouvido na manhã desta terça-feira (17). Familiares, parentes e vizinhos também terão oitiva para elucidar o sumiço da criança, por volta das 18h daquela noite. As informações são da Polícia Civil. De acordo com a escrivã Andreia Ribeiro, a força aguarda divulgação de laudo preliminar para determinar a quantidade e severidade dos ferimentos, bem como para confirmar ou não o abuso.

“Sabemos até o momento que a criança morava no setor com os pais, foi encontrada em um matagal da região e que ela estava muito machucada, respirou seu próprio sangue, mas foi resgatada com vida. Morreu a caminho de um hospital. Agora vamos apurar em detalhes como tudo aconteceu”, observa. Neste momento, o delegado regional de Uruaçu Bernardo Cumunali, que assumiu as investigações, levou o suspeito para o local do crime, onde devem ser extraídas mais informações.

Suspeito

Como o suspeito é adolescente, conselheiros tutelares acompanham o caso. Um deles, Roberto Carlos Teixeira Nunes, afirmou que o rapaz possui problemas psicológicos e já era monitorado pelo órgão. “Já acompanhávamos ele, inclusive, o internamos para realizar tratamento contra uso de entorpecentes em uma clínica de Goiânia. Ficou lá por cerca de 6 meses, até o pai solicitar sua liberação para continuar o tratamento no Centro de Apoio Psicossocial (Caps) da cidade”, reforça.

Até o momento, segundo Nunes, o adolescente não disse nada sobre o crime. “Como ele tem um distúrbio, não apresenta uma comunicação fácil, mas ainda não disse nada. Não confirma e nem nega”. Entretanto, para ele, evidências apontam que é do garoto a autoria do crime. “A família da vítima disse que ele morava em frente à casa da menina. Segundo o próprio pai dele, na hora que a criança sumiu, ele também não estava em casa. Mas tudo está sendo apurado”.

Resgate

O salvamento foi realizado por uma equipe dos bombeiros, que atendeu chamado “de terceiros” sobre o sumiço da criança. De acordo com o tenente Milson Fernandes, ao chegar no bairro, a equipe, em uma unidade de resgate, se encontrou com a mãe da menina, que – desesperada – apontou o local onde a filha estaria.

“Fomos com ela e realizamos buscas com lanterna em um local de mata fechada, tivemos que passar por dentro de um brejo. Um membro da equipe avistou uma mãozinha e gritou para o resto da equipe, que foi atrás para realizar o salvamento”.

Quando chegaram, a menina estava deitada de barriga para baixo, não estava respondendo e respirava seu próprio sangue. “Estava sangrando pela cabeça, no rosto, vários cortes. Estava muito machucada e apresentava possíveis sinais de abuso sexual”.

Na sequência, agentes realizaram os primeiros socorros e notaram que a vítima tinha muita terra na boca. “Com o excesso removido, a levamos para o Hospital Municipal, onde ela chegou debilitada, mas com sinais vitais”, lembra.

O Mais Goiás entrou em contato com o Hospital Municipal de Niquelândia, mas não conseguiu informações sobre o estado de saúde da garota ao chegar na unidade e nem saber qual era o quadro da criança ao deixar a unidade à caminho de Goiânia.

Fonte: https: Hugo Oliveira  –  Mais Goiás

Veja também

Ex-marido é preso suspeito de matar ex-vereadora e simular suicídio

Segundo a polícia, homem era vizinho da vítima e não aceitava o fim da relação. …